Matéria publicada no Estadão sobre entrega de jumbos.


Vejam a reportagem do Estadão, sobre entrega de jumbos.

”Em 3 meses, gastei R$ 2 mil”, diz pai de preso
Cada CDP tem sua regra sobre o que pode ou não entrar no pacote de produtos para o detento
21 de agosto de 2011 | 0h 00

Bruno Paes Manso – O Estado de S.Paulo
O funcionário público Roberto (que pediu para não dar o sobrenome), de 50 anos, sempre gostou de assistir a programas policialescos. E concordava com os apresentadores quando reclamavam que “cidadão de bem” tem de sustentar “vagabundo” na prisão. Até que seu filho Marcelo, de 21 anos, foi preso por roubo e acabou em um Centro de Detenção Provisória (CDP). Semanalmente, o pai agora leva “jumbo” (pacote de produtos e mantimentos) com papel higiênico, sabonete, sabão em pó, detergente, uniforme e comida. “Eu que tenho de sustentar meu filho. Em três meses, gastei mais de R$ 2 mil”, conta ele, que para arcar com as despesas já vendeu seu carro, um Fiesta, por R$ 5 mil.

Alex Silva/AE
Kit. ‘Jumbo’ tem alimentos e produtos de higiene e limpeza
“Os custos na prisão são maiores do que uma faculdade”, resume a dona de casa Aparecida, cujo filho também está em CDP, o de Franco da Rocha.

Para orientar parentes sobre o que pode ou não entrar na prisão, o advogado Luciano César Pereira criou um blog no qual publica listas de “jumbos” de diferentes CDPs. Familiares que levam produtos proibidos correm o risco de vê-los barrados pelo agente penitenciário.

Na lista do “jumbo” do CDP 4 de Pinheiros, por exemplo, não pode entrar sabonete azul, preto, amarelo ou bege. Já no CDP 3 de Pinheiros só o amarelo é vetado. Quando presos são transferidos, a primeira providência dos familiares é correr atrás da lista. “Até mesmo rodos e as vassouras precisam ser entregues. O CDP não pede, mas todos sabem que, se não levar, o filho ficará sem”, diz Pereira.

Parentes podem levar de uma a duas horas para receber o aval do agente. Para quem não pode ir pessoalmente, a solução é o Sedex. “Tem de ser em caixa tipo 5, que custa R$ 12,60, e ainda tem o custo do Sedex: mais R$ 24. Sem falar do “jumbo””, diz a mãe de um preso do CDP de Guarulhos.

O defensor público Marcelo Carneiro Novaes lembra que familiares devem levar cobertores, lençóis e blusas de frio. Por causa da superlotação, muitos presos dormem no chão. Mesmo no inverno, o banho é frio. Sem falar na falta de remédios e serviços médicos e odontológicos.

Nos CDPs, médicos são apelidados de “Dr. Dipirona”, porque, segundo eles, receitam a substância para diversas doenças. “Ainda há racionamento de água e a estrutura elétrica está danificada por causa da superlotação”, diz Novaes.

Esse post foi publicado em Matérias jornalísticas. Bookmark o link permanente.

5 respostas para Matéria publicada no Estadão sobre entrega de jumbos.

  1. kelly calixto disse:

    Sei o que é isso por que vivo essa realidade e sim a familia cumpre pena junto com os detentos já q temos q garantir o sustento de quem ta aqui fora e dos q estão lá dentro

  2. Infelizmente o que a senhora escreveu é uma grande verdade. A familia praticamente cumpre a pena com o detento. Além de ter de sustentar o preso, recebe um tratamento péssimo por parte dos funcionários. De uma lida no post sobre a audiência pública que será realizada na Defensória Pública, é uma oportunidade de mostrar a verdade.

  3. Diáriamente ouço esses apresentadores de telejornais; dizendo que um preso custa cerca de r$2000,00 para o governo; e que a população; inclusive eles é quem pagam. Oras, se tem alguém mamando nas tetas do governo; não temos culpa; e nem temos que ficar ouvindo essas asneiras; pois meu filho no período em que ficou preso em um cdp; durante onze meses; quem arcou com todas as despesas, fui eu; que somando tudo na ponta do lápis; fica cerca de r$150,00 por semana; e, para variar ainda quando tem blitz dentro dos raios; tudo o que compramos com o nossoi suor; é jogado no meio dos pátios e pisoteados. Televisão também sai do nosso bolso; e ainda vem um abestalhado sem noção dizer que o preso dá prejuízo pra população. Por acaso eles adentram nos presídios para saber a real?. E ainda dizem que são vagabundos; oras porque então não mudar o sistema carcerário; mesmo que seja em um cdp, e dar atividades para os detentos? Oras faça-me um favor: Quem nunca errou que atire a primeira pedra.

  4. lila disse:

    quem disse q o estado sustenta preso,onde e pra onde vai esses 200 reais por preso,porque pro presos nao e.ta bom eu sei quanto eu gasto por meis e isso e porque meu marido se vira como pode la dentro.se vor esperar pelo estado eles morre de fome e frio.

  5. Gabrielli Camargo disse:

    Quem sustenta quem?
    Na realidade além dos Jumbos, a outros gastos, geralmente ficam presos em lugares distantes de onde residem.
    E a familia gasta em média R$ 150.00 para visitar o familiar, sem contar no valor gasto com a alimentação, no dia de visita.
    Há quem diga que um preso custa em média R$ 2000 ao Estado mensalmente, a onde?
    O que não dá para entender é qual a importância da caixa do sedex, se não for a exigida é devolvida e a familia gasta dobrado.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s