Início > Execução Criminal > Periculosidade do preso pode ser considerada para negar progressão de regime

Periculosidade do preso pode ser considerada para negar progressão de regime


Periculosidade do preso pode ser considerada para negar progressão de regime
A periculosidade do condenado preso pode ser levada em conta na decisão que nega a progressão de regime de cumprimento de pena. Para a Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), não há ilegalidade na decisão que nega a progressão porque o apenado, apesar de ter conduta satisfatória na prisão, não demonstra abrandamento da periculosidade verificada no encarceramento.

O réu foi condenado a seis anos de reclusão, em regime fechado, por atentado violento ao pudor. Para avaliar o cabimento da progressão, foi submetido a avaliação psicossocial. Com base nos laudos, o juízo da execução negou a progressão de regime, e o tribunal local manteve o mesmo entendimento.

Avaliação psicológica

O laudo psicológico afirmou que o preso transferia à vítima e sua família a responsabilidade pelo crime, não tinha nenhum sentimento de empatia e até mesmo banalizava a conduta. Para a avaliadora, ele não apresenta consciência crítica sobre o crime e narra os fatos de forma diversa do consignado na condenação. Segundo o laudo, o preso apresenta ainda tendências à pedofilia e ao alcoolismo.

Conforme entendimento da psicóloga responsável, o condenado “não demonstra estratégias eficazes para se posicionar em liberdade de forma a controlar suas ações em relação a sua problemática, indicando manter a vulnerabilidade que provocou seu aprisionamento”.

Por isso, o Tribunal de Justiça gaúcho (TJRS) entendeu que, apesar de possuir conduta adequada à disciplina carcerária, o preso não se mostrou com redução da periculosidade em relação ao momento de seu encarceramento original.

Para o ministro Napoleão Nunes Maia, não há nenhuma ilegalidade patente na decisão da justiça do Rio Grande do Sul. Segundo o relator, a reanálise do preenchimento dos requisitos exigidos para a progressão de regime obriga a avaliação de provas e fatos, o que é vedado ao STJ em habeas corpus. A prova, nesse tipo de processo, deve ser pré-constituída.

http://www.stj.jus.br/webstj/processo/justica/jurisprudencia.asp?tipo=num_pro&valor=HC%20175400

  1. Kátia
    21/04/2011 às 00:33 | #1

    existe contro versa, uma vez que o preso esta no cumprimento de sua pena deve ser revisto sim seu comportamento carcerario, as motivação do crime e seu comportamento em sociedade,o Judiciario deveria colocar seus assistentes Sociais para trabalhar juntamente com seus psicologos,mas no mesmo tempo que o preso,
    (Reeducando) vai cumprindo sua pena e quando o Juiz,pedir exame criminologico do reeducando já teria um parecer no arquivo do mesmo, atualizado a cada tres ou seis meses assim seria muito mais facil saber se tem ou não condiçoes de progreção ao regime ou liberdade condicional ou saidas temporarias,com mais eficaz e menos morosidade.

  2. s
    18/08/2012 às 14:53 | #2

    É surpreendente o falatório, as análises, os pareceres, as formalidades, as psicologices… Trata do alcoolismo primeiro, depois sim verificar se o condenado tem tendencias isso ou aquilo…
    Tão simples… Como é que um alcoolatra pode responder alguma coisa com sentido, a modo de não confundir quem ouve e levar a enganos?!…
    Esse povo parece que nunca ouviu um bebado…
    Logo, primeiro remover o alcool, depois ouvir o cidadão.
    Aff. Santa Ignorancia!

  1. No trackbacks yet.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 1.060 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: